Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Queria...

Filipe Vaz Correia, 06.03.18

 

 

 

Queria muito;

Poder voar,

Fugir com tamanhas asas,

E com elas sobrevoar,

Por entre os céus,

Num eterno vislumbrar,

De um sonho...

 

Queria tanto;

Amarrar a alma,

Ao silencioso momento,

Intenso querer,

Irrompendo o vento,

Por um imenso sentir,

Num ardente prolongamento,

Sem fim...

 

Queria sem parar,

Poder dizer-te baixinho...

 

Meu amor.

 

 

Os Segredos De Paulo Gonçalves!

Filipe Vaz Correia, 06.03.18

 

A detenção de Paulo Gonçalves no âmbito do processo" E-Toupeira ", vem adensar as dúvidas em torno Benfica e da sua Estrutura.

Por mais que queiram afastar o Clube e consequentemente a corrupção desportiva deste cenário, o que parece cada vez mais evidente, são os métodos ilegais sistematicamente utilizados, em várias circunstâncias, por pessoas ligadas ao Clube Encarnado, entre elas, o seu Presidente e o seu braço direito, Paulo Gonçalves.

Porque razão terá Paulo Gonçalves, "alegadamente" corrompido agentes judiciários, para obter informações sigilosas, acerca do caso dos Emails?

Qual o motivo para tamanha preocupação?

O cerco aperta, caminhando de indicio em indicio, até ao indesmentível incómodo que se sente, por entre, parte da massa adepta benfiquista, muitos deles incrédulos com o enlamear do nome da Instituição.

Novos capítulos se esperam, sendo que a se verificar a detenção de Paulo Gonçalves, a posição de Vieira e do Benfica, torna-se no mínimo frágil...

Constrangedoramente frágil.

 

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

Pedaços Da Alma!

Filipe Vaz Correia, 06.03.18

 

 

 

Já calei tantas vezes;

A dor bem amarga,

Silenciei outras tantas,

O turpor enganador...

 

Já chorei sem chorar;

O que não sabia sentir,

Fingi esse enganar,

Que desconhecia fingir...

 

Já tentei esse amar;

Que escondia o coração,

Restou-me o soluçar,

De tão ilusória ilusão...

 

Já não escreve a velha alma;

Não descreve esse intemporal ardor,

Perdida por entre as lágrimas,

De tão desiludido amor.