Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

12
Fev18

O Esquizofrénico Mundo Do Leão...

Filipe Vaz Correia

 

O Sporting jogou ontem contra o Feirense em Alvalade, num jogo que apesar de conseguido, deixou claro para todos, os problemas evidentes deste Sporting, em finalizar.

Dir-me-ão que falta Bas Dost...

Uma realidade!

No entanto, mesmo com o Holandês em campo, esta época a equipa tem demonstrado uma dificuldade imensa, para marcar golos.

Será por questões tácticas?

Ou simplesmente por falta de inspiração dos seus atacantes?

Não o sei, mas desconfio...

O jogo de ontem mostrou uma equipa comprometida, capaz de acelerar o jogo, o que raramente se viu este ano, criando sem parar, imensíssimas oportunidades de golo.

Doumbia, perdido no seu reino de profundas trapalhices, lá foi coleccionando desperdício atrás de desperdício, e quando não desperdiçou, intercedeu o video-árbitro, numa decisão inimaginável, confusa e incompreensível, anulando assim um golo limpo...

Limpinho, limpinho.

Estive em Alvalade, como sempre, e saí com uma sensação de ter ali estado uma equipa diferente, que desta vez justificou o resultado, que poderia e merecia ter vencido por números superiores.

Nesse mesmo dia, neste rebuliço esquizofrénico em que se encontra o meu Sporting, assisti à Sessão de Esclarecimento aos Sócios, pela televisão, do Presidente e Órgãos Sociais Leoninos...

Numa intervenção carregada de momentos embaraçantes, de linguajar incompreensível, brejeiro e até ordinário, daquele que deveria ser o Presidente de todos nós.

 A cena MacCarthyana, reportando a Joseph MacCarthy, Senador Americano que tinha uma lista de Comunistas, na América de 1950, reproduz fielmente o medíocre espectáculo interpretado por Bruno de Carvalho.

Aquela sensação meio desencontrada, de que estávamos num simulado tribunal, julgando muitos à revelia, entrelaçando pérolas linguísticas de péssimo e discutível gosto, não só desprestigia o Clube, como transforma a Alma Leonina, num misto de processo Inquisitório.

Não existe paciência para o discurso, por vezes afirmativamente persecutório, outras vitimizando-se, de Bruno de Carvalho, e muito menos existe, na minha opinião, esperança de que este mude.

Neste mesmo dia, dois sentimentos contraditórios:

Um de alento pela exibição do meu Sporting e outro de tristeza pela brejeira teatralidade de um espectáculo miserabilista.

Assim se consome a Alma Leonina que me pertence, querendo acreditar que em momento algum, o Sporting se perca, por entre os devaneios de um simples homem, seja ele ou não o tão mirifico Messias...

Viva o Sporting.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

12
Fev18

Entre Memórias E Sonhos!

Filipe Vaz Correia

 

Navegando em alto mar sobre o cristalino azul, esse azul cristalino que intermitentemente seduz, deslumbrando sem parar, essa parte que insiste em buscar, por entre as águas, um desencontrado pedaço de mim mesmo...

Um pedaço de passado, escondido no fundo do mar, que abrasadoramente descansa sem se perder, e se vai perdendo misteriosamente na alma, que me pertence.

Buscando pessoas e rostos, esquecidos, adormecidos reencontros, meio despertos na infinita recordação que se entrelaça, com aquela imensidão resplandecente.

Nada poderia ter mais sentido, fazer mais sentido...

A espuma ao passar do barco, deste barco em que me encontro, trilhando ali um desejado percurso, naquele lugar que parece eternamente meu, naquele horizonte por descobrir...

Parece que tudo me pertence, sem nunca ali ter estado, misturado com aquele sorriso perdido que esforçadamente desejo encontrar, abraçando desmesuradamente a contradição em mim mesmo.

Tantas e tantas palavras amarradas ao ondular daquele barco, ao constante perder por entre mar e céu, numa infinitude que assusta...

Assusta assustadoramente a pequenez do bater do meu coração, destemperadamente só, num singelo vazio, assemelhada solidão da fugacidade intemporal.

Desejo mergulhar...

Tão profundamente quanto me permitir o sonho, sonhando intensamente, num silêncio ruidoso que desvanece devagarinho.

Tão profundamente...

Que a alma pudesse reencontrar aquele outro olhar, outra vez.

Outra e mais outra.

Mas se calhar, é equivoco, é um desesperante equivoco.

Se calhar esse mar é sangue, assim como de sangue serão as lágrimas que salgam cada parte, discretamente ousada do pensamento.

Como é sangue cada partida tua, vida após vida, até ao inusitado momento em que à distância, voltamos a vislumbrar o desenho de uma nova vida...

Mas e se for a última viagem?

O último reencontro desta intemporal viagem?

Só no fundo daquele mar repousarão as respostas, morrerá a saudade, se esconderá infinitamente tamanha resposta, tamanha tristeza, desenhada em telas eternas.

E assim, continua o barco a navegar, o mar a reluzir e o sonho a esvoaçar como se nada mais fosse importante, como se por uma vez, o passado e o presente fossem um só...

Um só!

 

 

Filipe Vaz Correia

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

  • BC

    ….

  • Filipe Vaz Correia

    Minha querida BC...Como gosto de sentir o carinho ...

  • Filipe Vaz Correia

    Minha querida BC...Obrigado.Um beijinho imenso

  • BC

    ohhhh… "Porque o mundo é meu; Mas o meu mundo… És ...

  • BC

    Tenho olhado para elas todos os dias de manhã… que...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Fevereiro 2018

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D