Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Chove Sem Parar!

Filipe Vaz Correia, 07.01.18

 

 

 

Chove sem parar;

Sem parar de chover,

E eu sentado...

 

Sentado na mesa de um café;

Nesse misto de admiração,

Misto de fé,

Mistura de emoção...

 

Chove sem parar;

Sem parar de chover,

Lágrimas a chegar,

Desse céu a sofrer...

 

Sofrimento bem escondido;

De tantas vidas passadas,

Entes queridos,

Memórias encerradas...

 

Chove sem parar;

Sem parar de chover,

E eu sentado...

 

Chove sem parar;

Sem parar de chover.

 

 

Carta Para Um Amigo!

Filipe Vaz Correia, 05.01.18

 

Meu querido amigo, muitos parabéns neste dia, pelos 40 anos que ficaram por cumprir...

Assim como ficaram os 20, os 30,  tantos e tantos sonhos, guardados em ti.

Neste dia de Reis, recordo muitos dos dias que passámos juntos, muito dos sorrisos que partilhámos, das traquinices que inventámos, da lealdade constante entre nós.

Se pudesse descrever a nossa amizade numa palavra, talvez esta fosse a mais apropriada, a que mais nos caracterize...

Lealdade.

Sempre juntos, sinceros, ligados.

Tanta coisa nos separava à partida, tantos nos ligou sem sabermos...

Às vezes penso se teríamos sido amigos, sem aquela cena de pancadaria que nos levou ao gabinete da Professora Jesuína, directora do colégio e daquela casmurrice, que tão bem nos define, de cada um querer assumir as culpas do outro.

Inimigos até aquele dia, siameses a partir daí.

Tínhamos 10 anos, 10 jovens anos.

Desde esse dia e até hoje, repito hoje, em momento algum ficaste longe do meu pensamento, meu amigo, longe deste coração que sempre te pertencerá.

Mesmo naqueles dias difíceis, enevoados por entre as sessões de quimioterapia, a que foste sujeito, mesmo nesses dias, não esqueço a nobreza com que enfrentavas a realidade, a esperança que brilhava no teu desbravado olhar...

No teu leal olhar.

Daqui, nesta carta, amigo de uma vida, fica o meu grito de parabéns, onde quer que estejas, onde quer que vás, para onde quer que foste.

Daqui, com o tremendo sentimento desta eterna amizade, fica silenciosamente, o imenso obrigado, por um dia ter feito parte dessa breve vida, que foi a tua...

Mas que sempre recordarei, com um carinho sem tamanho.

Parabéns Luís...

Meu querido amigo.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Um Singelo Gesto De Nobreza!

Filipe Vaz Correia, 05.01.18

 

A mesquinhez humana sempre me atormentou, me deixou desconfortável...

Gente capaz de passar por cima de qualquer tipo de valores para se dar bem na vida, capazes de buscar na miséria alheia, um propósito para se sentirem melhor, com esse vazio instalado, que por vezes parece ser a única coisa que lhes sobra.

Gente assim passa pela vida em movimento, de um lado para o outro, provavelmente dando-se bem com esta forma de estar.

Não sou assim...

Não consigo gostar de gente assim.

Estava eu nos meus pensamentos, pensando sobre um ou outro caso que fui sabendo, deste exemplar de canalhice, quando uma noticia me chamou a atenção...

Uma imagem, um destemperado raio de esperança, no meio de alguns obscuros calhordas...

No México, um jovem toureiro, de seu nome Francisco Martinez, de 21 anos, ficou inconsciente depois da investida de um Touro, ficando inanimado na arena à mercê do animal.

O seu irmão Felipe, que assistia à lide de Francisco, num gesto heróico e irreflectido, saltou para a arena, protegendo o corpo de seu irmão com o seu, deitado sobre ele, servindo-lhe de escudo.

Depois de tudo isto, Felipe ficou com um dedo da mão partido e umas costelas magoadas, enquanto Francisco recuperado e com apenas alguns traumatismos, conseguiu terminar a corrida.

Este exemplo, pejado de beleza, carrega consigo a dimensão Humana, a nobreza inerente ao sentir, à força de um leal sentimento, puro, maior do que os medos e receios.

Depois de ler a reportagem deste caso, no Jornal A Marca, voltei a pensar no contraste entre um gesto de nobreza e um singelo calhorda...

Continuo a ter esperança que a nobreza, possa sempre vencer.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Rio VS Santana: O 1º Round!

Filipe Vaz Correia, 04.01.18

 

O primeiro debate das eleições internas do PSD, trouxe ao de cima pela primeira vez nesta campanha, as diferenças entre Rui Rio e Pedro Santana Lopes.

Gosto muito de Rui Rio, sempre aqui o escrevi, no entanto, ao longo desta campanha as suas palavras receosas, pouco ousadas, mescladas com o aparelhismo vigente no actual PSD, deixaram-me vezes sem conta, desiludido com o candidato em que mais acredito.

Neste debate, julgo que Santana Lopes fez um imenso favor a Rui Rio, demonstrando exaustivamente as diferenças marcadas, durante todos estes anos, deste com Pedro Passos Coelho...

Rio não tem conseguido se distanciar da linha Passista, que há oito anos controla o Partido, porém, Santana Lopes, agressivo como há muito tempo não o via, fez questão de recordar a todos, os que assistiam a este debate, as diferenças entre o PSD de Passos e que agora está com Santana, e o de Rui Rio, que conta com o apoio de Manuela Ferreira Leite, Morais Sarmento, António Capucho ou Pacheco Pereira.

Para Santana estes serão, certamente, nomes malditos...

Para mim, serão um certificado de seriedade e qualidade, um regresso a um PSD de outros tempos.

Rui Rio tem dificuldade em gerir o mediatismo das câmaras, a fotogenia dos momentos televisivos, mas tem credibilidade, é conservador na génese política, ousado no pensamento...

A sua posição na questão da justiça, mais do que correcta é corajosa, nobre e frontal, correndo o risco de se tornar impopular, mas mantendo-se digno e assertivo, de acordo com os princípios que defende.

Este é o Rui Rio em que acredito, confio, admiro...

Pouco fotogénico, nunca cedendo ao populismo inerente a políticos como Santana Lopes.

Rui Rio falou directamente para o País, para os seus cidadãos, enquanto, Santana optou por falar para o aparelho do partido...

Esperemos que os militantes chamados a votar, pensem mais no País, do que nos lugares no Partido.

Pela primeira vez nesta campanha, reencontrei o Rui Rio de que tanto gosto.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Derby...

Filipe Vaz Correia, 03.01.18

 

 

 

Lá fui eu;

Pequeno pela mão,

Buscando em cada traço,

Da desmedida imaginação,

Sonhar com o golo,

Que gritava a emoção,

Essa desejada vitória,

Escondida na ilusão,

Desse grito leonino,

Rugido de leão,

Que desde pequenino,

Soltava o meu coração...

 

Lá fui eu;

Pequeno pela mão,

De meu pai,

Sonhando com o meu...

 

Sporting.