Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

21
Jan18

Turpin: Nem Todos Merecem Ser Pais!

Filipe Vaz Correia

 

Resisti imenso em escrever sobre este caso nos Estados Unidos, em que os Pais fizeram durante décadas os filhos reféns, aprisionados em casa, subnutridos, torturados, massacrados sem dó...

Resisti por não compreender como foi possível, como é possível, como terá sido possível isto acontecer.

Ao ver as noticias sobre este caso, as imagens repetidas vezes sem conta, busquei através dos olhos daqueles Pais uma explicação, uma desperançada explicação...

Mas o vazio naqueles olhares, representa em mim esse medo da Humanidade, receio maior de pessoas assim...

Capazes deste tipo de sofrimento, desta tortura da alma, àqueles que supostamente lhes pertenciam.

Continuo a olhar para as imagens...

Sem resposta.

Sempre sem resposta.

E aqueles que com eles conviviam?

Os familiares?

E aquelas imagens na Disney ou em Las Vegas?

E os miúdos?

Mantiveram-se calados?

Sem nada dizer?

São estas as questões que me toldavam a escrita, a imensa vontade de entender, gritar a indignação diante da aberrante estupefacção.

Será possível?

Os Turpin serão antes de mais um caso de Psiquiatria, Psicanálise ou algo do género, mas isso deixarei para o meu caro amigo, Jaime Bessa, entendido na matéria e talvez com uma explicação profissional para este horror...

Eu como leigo, apenas um comum escrevinhador, solto aqui esta infinita e desesperante conclusão:

Nem todos merecem ser Pais.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

21
Jan18

Poderei...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Poderei eu sonhar;

Ou sonhando devagar,

Devagarinho sem parar,

Trauteando esse amar,

Que escapou...

 

Poderei lentamente;

Observando atentamente,

Questionar ardentemente,

Essa parte de  mim,

Que te ama...

 

Poderei compulsivamente escrever;

Vezes sem conta ao entardecer,

O teu nome sem esquecer,

Tamanho amor...

 

Poderei tantas e tantas coisas;

Tantas que não as consigo soletrar,

Despedaçadamente perdido,

Por entre as pedras,

Desse caminho.

 

Poderei?