Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

23
Ago17

À Mulher De César...

Filipe Vaz Correia

 

Existe um ditado Romano que diz:

" À mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta!"

Júlio César que me perdoe a comparação tantos séculos depois, no entanto, esta frase regressou ao meu pensamento quando espantosamente lia num jornal desportivo, que o Sporting Clube de Portugal iria criar um Departamento de Public-Affairs, passando este a ser coordenado por Joana de Carvalho.

Muito bem...

Não deixa de ser estranho que a mulher do Presidente do Sporting, trabalha no Clube há seis anos, venha a ser promovida, sendo mesmo criado para o efeito um novo departamento, logo após o seu casamento com Bruno de Carvalho.

Muitos dirão se tratar de uma coincidência, outros dirão que será uma cunha, outros ainda desconfiarão calados...

O que me parece é que independentemente de quem tiver razão, fica mal, soa mal, parece efectivamente mal.

Este tipo de tratamento, de coincidências ou promoções, recordam-me sempre Estados falhados, meio corruptos, nas mãos de ditadores prepotentes e descarados...

Na Venezuela ou no Zimbabué deve ser fácil promover um familiar, em França, esse simples facto destruiu a credibilidade de um candidato Presidencial.

O Sporting parece aceitar este tipo de comportamentos como algo normal, sem agitação, sem contestação e isso dirá muito do estado amorfo em que se encontra a Oposição Leonina.

E assim, deixando aqui o meu ponto de vista, quero uma vez mais pedir desculpa à memória de Júlio César e de Pompeia e através deles a todos os Romanos, que certamente se indignariam com esta minha comparação...

Depois disto, que ganhemos na Roménia para entrarmos na Champions, pois assim, certamente ninguém se importará, com mais um emprego em Alvalade.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

23
Ago17

Rafael Nadal, Um Dos Maiores!

Filipe Vaz Correia

 

Rafael Nadal regressou a Nº1 do Raking Mundial ATP, numa ascensão tão dolorosa como impressionante depois de três anos repletos de lesões e desaires.

Muitos anteviam que o Maiorquino jamais regressaria a este lugar, aos 31 anos, depois de uma carreira plena que o levou não só a vitórias em todos os míticos Grand Slams, como também, ao Ouro Olímpico...

Nadal chega assim novamente ao topo do mundo, depois de em Roland Garros, sua casa, ter conseguido alcançar a décima conquista, algo inimaginável e praticamente irrepetível por qualquer outro.

Sempre admirei Rafa Nadal, sempre torci por ele, depois da despedida de André Agassi, admirando imensamente aquela entrega que o faz e fez superar sempre os adversários, os seus limites, as suas imperfeições.

Neste momento em que desfruta uma vez mais da glória, tenho a certeza que se debate com a determinação para ali permanecer, sabendo porém que com a sua idade, com o desgaste acumulado por mais de uma década e meia de alta competição, será mais difícil manter esta posição no quadro ATP.

Mas independentemente de tudo isso, independentemente do desgaste temporal, Rafa, gritará ao mundo que lutará até ao fim, defendendo a Lenda em que se tornou...

Porque Nadal, será para sempre, um dos maiores.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Agosto 2017

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D