Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

23
Fev17

Lado a Lado!

Filipe Vaz Correia

 

Lado a lado, com a vontade entrelaçada pela mesma querença de crescer, de viver, de aprender com os mesmos erros, as mesmas descobertas, a mesma curiosidade por encontrar o destino que se esconde de cada um de nós...

De cada um!

Meninos, crianças, nesse colégio que marcaria as nossas vidas, partilhando as primeiras descobertas, sonhando com as primeiras namoradas, com a insensata vontade de superar os desejos que os Deuses nos haviam destinado.

Assim crescemos, sempre próximos, confidentes, enfim aquele sinónimo de amizade que fizeste o favor de me ensinar.

As diferenças que nos juntaram, que nos guiaram até às profundezas desse sentimento verdadeiro, que impede as incertezas de tomarem conta da mente, das dúvidas de guiarem a vontade, das intrigas de serem semeadas, onde apenas habita essa certeza permanente de estar lá...

Estar lá pelo outro...

Para o outro.

A nossa amizade começou naquela saleta da direcção, diante da Professora Jesuína, enfrentado as consequências, daquela luta que nos colocara em lados opostos da barricada...

Um benfiquista e um sportinguista...

Dois meninos disputando a atenção da mesma menina...

E como era bela, a jovem Sara!

Num momento tudo mudara...

Perante a questão de quem começara aquela luta:

Disseste que tinhas sido tu...

Logo respondi:

Fui eu!

Não poderia ficar atrás...

Uma primeira lição de lealdade, nessa amizade que se construiu no olhar, na imensa certeza de não estar sozinho, de acreditar que apesar de tudo, existiria sempre um ombro amigo que cairia comigo, que lutaria por mim, que diria sempre presente, mesmo que não parecesse importante.

Assim fomos crescendo, partilhando as alegrias e as dores, as conquistas e as derrotas, os sonhos e as amarguras inerentes ao crescimento, nessa adolescência que se aproximava.

Anos se passaram, se juntaram à inocência própria daquela idade, cimentando a nossa amizade, até aquele dia, há mais de 20 anos atrás...

Àquele malfadado dia em que o cancro venceu essa batalha, a única que não pude travar por ti, não pude caminhar contigo, não pude proteger o amigo de uma vida.

Essa derrota que me persegue, perseguindo essa dor que ainda guardo e guardarei, impele-me por vezes a escrever, outras a pensar e outras ainda a sofrer...

Mas o que não consegue, é fazer me esquecer das muitas e tantas memórias a recordar, vivas em mim e naqueles que tanto te estimavam...

E através desse pensamento, percebi que nunca foste derrotado, nunca perdemos verdadeiramente esta batalha, pois estás vivo nesses pensamentos, recordações intensas em todos aqueles que marcaste ao longo dessa efémera vida...

E assim lado a lado, continuamos a viver essa amizade eterna, que nem o fim conseguiu terminar.

Obrigado, Luís!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

23
Fev17

Os teus Olhos!

Filipe Vaz Correia

 

Pelos teus olhos;

Vejo o mundo,

E revejo enternecido,

Esse passado distante,

Outrora vivido,

Saudade constante,

Num presente perdido...

 

Através dos teus olhos;

Recordo tantos sonhos que se perderam,

Tantas vontades ausentes,

Que ficaram lá atrás,

Em cada lágrima por chorar...

 

E nesses olhos de criança;

Em cada passo aprendido,

A cada palavra de esperança,

Em cada gesto já vivido,

Nesse tempo, minha herança,

Daquele menino,

Que um dia fui...

 

 

 

23
Fev17

Viajando Pelas Estrelas!

Filipe Vaz Correia

 

A noite brilhante, com o seu céu estrelado, que iluminava o imenso lamaçal que tenho de subir...

Atolados os meus pés, numa fuga destemperada por entre este caminho que enfrento sem fugir.

Caminhando, viajante, pelos gostos envelhecidos da sabedoria estampada, nos rostos daqueles que observam o meu destino...

Não o quero saber, continuo a subir em busca da beleza escondida, em cada estrela presa ao imenso céu que contemplo nesta noite cintilante.

Sinto os cheiros daquelas casas vazias, de gente, de cor, com alma...

Contemplo no cimo daquele lugar, a imensidão que por debaixo de mim existe, ignorando os ruídos, os gemidos, as intensas contradições insistentes.

E nesse instante, em cada estrela um sorriso, em cada rosto uma esperança, em cada olhar encontrado, um pedaço de alegria, de vida.

Um pequeno campo de futebol, iluminado por esses candeeiros encardidos, empoeirados, onde rejubilam os meninos, enquanto chutam aquela pequena bola de trapos, como se tratasse da sua maior recompensa...

E se calhar, seria!

Olhei novamente para aquela imensidão, guardando simplesmente na memória, a pequenez dos nossos destinos...

E assim observo a constante rotação daquelas estrelas, que sobrevoam os sonhos daquelas vidas, com aquela lua como companheira, discreta, tímida, presente...

Mas naquele momento, perdido naquela imensidão, aquelas estrelas eram só minhas e do meu desejo de sonhar.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

  

 

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

  • Anónimo

    Foi bonita a festa, páFiquei contenteAinda guardo ...

  • frar

    OS AFRICANOS ESTÃO-SE A CAGAR PARA O EUROPEU-DO-SI...

  • Filipe Vaz Correia

    Meu caro Anónimo...Não será ao contrário?Um abraço

  • Anónimo

    LIVROS & JORNAIS - Vários estudos, entre eles u...

  • Anónimo

    A seguir vem a fogueira e depois a guilhotina...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Fevereiro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D