Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Quantos Actos Tem Uma Vida?

Filipe Vaz Correia, 29.03.22

FFA629D2-8F01-4D59-BC9A-0322E8566F21.png

 


Busco nas mais imperfeitas coisas pedaços da perdida perfeição, contos e poemas que possam dar um sentido àquilo que se questiona, às coisas mundanas e sacras, desconhecimentos por refletir.

Nas mais sentidas dores, desilusões, aumentam as questões, aqueles momentos de tormento em que tudo parece findar na mais rebuscada interrogação.

Sei lá para onde caminho, tantas vezes grita a alma, carregada de receios e medos, chão que foge sem parar nesse amor que desvaneceu...

As ilhas rodeadas de mar, isoladas de terra e calor, tão sós na imensidão de mundo, sem ninguém para abraçar, é assim que me sinto, vezes sem conta, nas mais frias noites, nas mais infindáveis prosas da minha imaginação.

A poesia salvou-me tantas vezes, nesse desabafo que passa para o papel, como num salto sem rede de uma qualquer ponte impiedosa, de um penhasco de dores pinceladas por séculos de grito.

Palavras soltas que se juntam por vontade própria, quase como um puzzle que se constrói por si mesmo, sem pedir autorização.

Vejo a dor plasmada em imagens, de Tróia a Cartago, das ruas de Kiev às grutas de Damasco, do sangue na Somália aos campos de concentração na Chéchenia, de Alcácer Quibir ao palácio de Nabucodonosor...

Tamanhas mágoas de ódio e amor, tecendo entre teias de lágrimas o pensamento humano, desespero de desencontros que se forjam no tempo.

Sei lá...

Quantas vidas terei, teremos?

Quantos erros iremos repetir?

Quantas vezes amar será apenas esse gesto inebriado de um fim que se aproxima...

Seria fácil desistir, não tentar mais, percorrer o caminho mundano sem expectativas de encontrar o outro, transformando o impulso carnal nesse desvanecer que se entrega sem compromisso, sem expectativa da contracena.

Mas para almas velhas, aquelas que persistem em regressar, os sofrimentos do sentimento obrigatoriamente se transformarão nesse entregar sem fim, repetindo em cada vida esse abraço, pequeno retrato do regaço que impele o coração, vezes sem conta, a gritar...

Será que Alexandre reencontrou Heféstion, Romeu reencontrou Julieta, Pedro reencontrou Inês ou aquela Mãe reencontrou aquele filho, queimados nas ruínas de Pompeia?

Será?

Será que a roda do destino nos impele a continuar mesmo que nessa busca por reencontros possamos cruzar a nossa caminhada com os nadas que ecoam e magoam, com o vazio que se disfarça de sentir para esmagar ainda mais essa saudade que reconhecemos sem saber...

Perdidos em melodias vamos intervalando a vida e o seu sentido com o rebuliço quotidiano, com os pequenos intervalos de um filme, respirando sofregamente pelo momento principal, pelo epílogo que se aproxima de mansinho.

Apagam-se as luzes...

Novo acto, novas cenas, nova vida...

E continuamos a correr.

 

 

Filipe Vaz Correia

António Costa: Uma Oportunidade Perdida?

Filipe Vaz Correia, 24.03.22

 

 

B8D75DB3-9E3A-4010-B9CB-6F9051670E49.jpeg

 


António Costa oficializou o seu Governo, libertando os nomes que constituirão o próximo Governo de Portugal.

Infelizmente assistimos a uma oportunidade perdida em dois vectores, na quantidade e na qualidade...

Na quantidade, António Costa anunciou um Governo enxuto, algo que não cumpriu, ou seja, 17 Ministros e 38 Secretários de Estado é um número enxuto em contas à António Guterres ou Teixeira dos Santos e na qualidade teremos de expressar a desilusão imensa que caracteriza as escolhas de Costa.

Manter a inexistente Ministra da Cultura, a sucessão no Ministério da Educação, o número inenarrável de militantes Socialistas, assim como, a saída de Pedro Siza Vieira deixam a nú a falta de qualidade nesta nova plataforma política.

Esperava-se mais de Costa e do seu projecto político para o País, no entanto, nada é mais preocupante do que a pasta das Finanças...

Fernando Medina.

Fui crítico, por desconhecimento, de Mário Centeno, assim como de João Leão, dois nomes que acabaram por realizar um excelente trabalho, mais o primeiro do que o segundo, sendo que o seu perfil técnico poderá justificar a sua imunização à habitual politiquice Socialista.

Medina nada tem de técnico e acima de tudo traz consigo aquela "aldrabice" política que anuncia o desastre.

Enfim...

Este Governo tem tudo para se tornar uma oportunidade política, sendo a maior esperança que este meu prognóstico seja completamente falhado e que Costa possa ser um visionário para lá do seu tempo.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Quem Acorda O PCP?

Filipe Vaz Correia, 22.02.22



 

5462C9E6-D8C8-4451-8CD8-13A35923CB24.png

 

 

O PCP veio esta sexta-feira emitir uma opinião sobre o conflito na Ucrânia.

O Partido mostra a sua solidariedade para com as populações Russófonas de Donbass e alerta para o perigo de confrontação perpetrado pela Nato e os EUA contra Moscovo.

Observando atentamente este comunicado Comunista poderemos retirar dele que o PCP não percebeu mesmo o tempo onde se encontra, nem o significado dos seus contínuos fracassos eleitorais, de Autárquicas a Europeias, passando pelas Legislativas ou Presidenciais.

Um partido retrógrado, amarrado a tempos de Guerra Fria, julgando uma fidelidade canina a um ideal e um império que não existe.

Putin está mais perto hoje do Nacionalismo de Extrema-Direita do que dos preceitos de Karl Marx...

Mas vivendo a fantasia dos amanhãs que cantam, talvez seja tempo de se perceber que se calhar não vai mesmo haver ninguém para os acordar.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Sporting: Somos Da Raça Que Nunca Se Vergará…

Filipe Vaz Correia, 16.02.22



89CECC91-3AA5-4BBA-934B-EAF58C0D6740.jpeg

 

 

 

O meu Sporting perdeu com o Manchester City, em Alvalade, por 0-5.

O início prometedor, o olhar expresso no rosto de quem via o jogo a meu lado, a esperança a se desvanecer segundos após o começo da partida.

A inexperiência, a cultura de Champions, a sorte...

Tanta coisa.

O Sporting perdeu mas o Sporting ganhou...

Ganhou pelos adeptos que como nunca amarraram a equipe à sua voz, ao seu amor, ao seu esperançado querer, num desígnio extraordinário que recupera este Sporting para um destino singular.

O olhar dos jogadores, de Amorim e até de Guardiola mostravam que aquele momento era singular, um estádio inteiro apoiando uma equipe que havia perdido, não apenas perdido sendo goleada, mostrando a gratidão por aquilo que estava por trás de uma triste derrota...

Ou seja, a memória da nossa recente História.

Arrisco-me dizer que recuperámos a equipe num abraço maior do que um estádio, tão grande como o rugido do Leão.

Para mim, importa expressar a Rúben Amorim e seus jogadores o meu carinho e amor, o mesmo de sempre, e acima de tudo gritar bem alto que apesar de tudo:

 

"Somos da raça que nunca se vergará."

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

A Doce Insanidade Da Escrita

Filipe Vaz Correia, 15.02.22



Tenho faltado a este espaço de escrita, a este pedaço de desabafo que tantas vezes me pareceu um pequeno recanto de mim, mundo meu.

Falta de tempo e de imaginação, tamanha vontade de silenciar o que guardo nas entrelinhas do ser, dessa querença minha calada, sofrença tão imprecisa.

Quero poetizar como aqueles que aprendi a ler, escrevinhar e voar como Cazuza no Arpoador, soletrar como Vinicius em Copacabana, como Pessoa no Martinho...

Encontrar desencontradamente cada parte de uma pequena lembrança, reencontrar o menino que fui para lhe afagar o rosto e expressar essa pressa em amar aqueles que um dia partiram, partirão, cada intensa recordação.

Esse querer que se estende no olhar, que se entrelaça na dimensão maior do desconhecido, desconhecimento maior das palavras.

Tenho medos e vontades, expectativas e realidades, todas elas na mesma e inquebrantável curiosidade dos amanhãs que se apressam a correr...

Dias que passam, noites que se libertam com o caminhar do tempo nesse acelerado passo de dança.

Venham então as palavras, as lágrimas e os sorrisos, sinais de pouco siso numa certeza constante:

Só os tolos permanecem sãos.

 

 

Filipe Vaz Correia