Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Fait Attention, Macron!

 

As eleições Francesas, presidenciais e legislativas, deixaram no ar uma sensação de euforia, de esperança, nesse tornado político que se abateu sobre França, de seu nome Emmanuel Macron.

Essa esperança foi desde a primeira hora, uma derradeira oportunidade dada pelos Franceses a um político que ameaçava reajustar o panorama democrático Francês...

Ajustar pelo lado Humano da coisa, dando esperança ao invés de agressividade, dando luz ao invés da penumbra ameaçadora, fazendo acreditar ao invés de odiar.

Esse lado de Macron uniu os cidadãos, deu-lhes aquela vontade de votar em alguém novo, que trazia consigo essa inevitável expectativa por um futuro melhor.

No entanto passados estes meses, as sondagens atribuem a Emmanuel Macron taxas de popularidade abaixo daquelas que tinha François Hollande...

Incroyable!

É aqui que se deve concentrar o Presidente Francês, neste sinal que ameaça reduzir o projecto que tanta esperança alimentou por toda a Europa, numa triste recordação de um estrondoso fracasso.

Esse receio que chega, com Macron perdido em debates estéreis e de pouca importância, como por exemplo o lugar que deve ocupar a sua mulher no Eliseu, ao invés de olhar genuinamente, como aliás prometeu, para aquilo que tanto perturba a vida de cada um dos seus cidadãos.

Macron deve intervir na Europa, deve preocupar-se em reestruturar o sistema fiscal e económico Francês, deve revolucionar o papel da industria Francesa, deve de forma inadiavel olhar para os níveis de desemprego que esventram o âmago da sociedade Gaulesa...

Deve enfim, procurar respostas para as tamanhas dúvidas e inseguranças que atormentam os jovens do seu País.

Só assim, cumprindo o que prometeu, sem deslizes ou hipocrisias, é que Emmanuel Macron não decepcionará aqueles que lhe entregaram tamanho poder, no Eliseu e no parlamento, para que daqui a quatro anos não estejamos todos a dizer, que Le Pen venceu mesmo.

Por essa razão, escrevo:

Fait Attention, Monsieur Emmanuel Macron!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

O Destino Francês: Tolerância Ou Intolerância?

 

Aí está o confronto que todos esperávamos, ou até temíamos...

Macron versus Le Pen, ou a tolerância versus a intolerância.

A primeira volta das eleições terminou, ditando esta disputa para a Presidência da Republica Francesa, num claro clima de fractura social e extremismo de opiniões.

Agora que a verdadeira confrontação terá lugar, espero que a diferença latente entre estes candidatos possa resgatar a aversão histórica com que os Franceses, na sua maioria, sempre brindaram, nos mais diversos momentos, a ideologia da Frente Nacional...

Para isso a pronta declaração de Fillon ou do candidato socialista Hamon, humilhadissimo nestas eleições, é sem margem para dúvidas um grande passo, neste estreito caminho.

Acredito que a sociedade Francesa se unirá em torno de Emmanuel Macron, nesta segunda volta das eleições, para que se possa constatar, aos olhos de todos, o destino que os Franceses desejam prosseguir.

Emmanuel Macron tem sabido posicionar-se, sendo abrangente, construindo pontes entre os muitos que se viram abandonados pelos partidos tradicionais...

Partidos estes que foram os grandes derrotados desta noite eleitoral, desaparecendo assim, da disputa que nos guiará ao novo inquilino do Palácio do Eliseu.

O fim destes partidos, Republicano e Socialista, assim como a diminuição da sua influência na sociedade Francesa, poderá estar a chegar, e esse desaparecimento poderá mesmo ditar um novo desafio ao sistema político Francês...

Agora o que urge descobrir é como se comportarão os cidadãos Franceses, nesta segunda volta e qual o caminho que escolherão seguir, para descobrirmos também, qual o futuro de toda a Europa.

E por isso, ansiosamente espero que Macron possa ser o grande vencedor da segunda volta destas eleições, afastando assim a possibilidade de uma França esquartejada dos seus habituais valores e princípios, o que não honraria certamente,  a sua tradição republicana.

 

 

 

Filipe Vaz Correia