Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Nem Sempre...

 

Nem sempre a incondicionalidade é incondicional, assim como, nem sempre a nobreza é nobre, a cobardia medonha, a coragem heróica, a verdade sincera.

Nem sempre o orgulho é essencial, nem sempre a esperança é verdadeira, nem sempre a certeza é certa, assim como, nem sempre a incerteza é constante.

Nem sempre o olhar diz tudo, nem sempre as palavras traduzem o olhar, nem sempre...

Nem sempre a eternidade é longínqua, nem sempre é longínqua a temporalidade dos afectos, nem sempre o abraço reconfortante, conforta.

Nem sempre é existencial, a ternura imensa que resiste e nem sempre é possível acreditar...

Nem sempre...

Nem sempre!

Nem sempre é forte o suficiente, esse desmedido amor que insiste em permanecer...

Nem sempre...

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

Sussurrando...

 

 

 

Sussurrando no meio da estrada;

Encontrei o meu coração,

Confuso gritava,

A embargada emoção,

De se ter perdido...

 

Desistido de tamanho destino;

Dessa imensa contradição,

Pedaço de desatino,

Gigantesca desilusão...

 

E desiludido trauteava;

Trauteando esses versos renegados,

Enquanto sozinho caminhava,

Por entre ventos desnorteados...

 

Sussurrando no meio da estrada;

Lá continuava,

Aquela que um dia,

Foi a minha alma.

 

 

Levantei-me...

 

 

 

Levantei-me tantas vezes;

Sozinho,

Desconhecendo a imensa escuridão,

O medo presente desse desconhecido...

 

Porque em mim,

Existia essa fé em ti,

Que abraçava a cobardia,

Emergente coragem,

Encapotada,

Da alma...

 

Levantei-me tantas vezes;

Apesar de não existir,

O que existindo se calava,

Embargando o coração...

 

Levantei-me tantas e tantas vezes;

E de cada uma delas,

Valeu a pena,

Sempre valeu...

 

Mas agora...

 

Deixemos o tempo correr;

A viagem continuar,

A memória esquecer,

Que um dia...

 

Existiu tamanho amar.

 

 

 

 

 

Quantas Vidas Tem Um Amor?

 

Por vezes a vida escreve por nós o guião, mesmo que tenhamos a ilusão que não...

Que somos nós quem a redige, que é nossa a pena que traça as decisões de um momento, o olhar que se dirige por entre o horizonte.

Os encontros que se aproximam, programadamente ilusórios, de um destino que a muito custo tentamos amarrar aos planos imaginados da pequena alma.

No longínquo passado pejado de escolhas, mora a incerta dúvida que um dia se apresentou, a certeza intermitente que pareceu acertada, a convicção que somos senhores desse destino, tão nosso.

Mas não...

Por vezes não!

Por vezes e só por vezes, chove sem parar, desaba em nós a duvidosa expressão da alma, entrelaçada com a tristeza imensa que parece eterna, somente eterna, para sempre eterna.

Outras vezes, ela se atenua, essa mesma tristeza que desvanece, por entre um sorriso que se encontra ao virar de uma esquina, num reencontro desconhecido, naquele olhar repetidamente irrepetível.

A mesma empatia de sempre, mesmo que esse sempre, seja inexplicável, de tempos em que a memória não alcança, pois não consegue regressar ao lugar, onde se esconde o derradeiro enigma...

A vida!

Todas as vidas!

Cada vez que a morte reclama esse fim, que resgata para si todos os encontros de uma existência, se apagam na dor os pedaços desencontrados, desses mágicos momentos, onde se amou perdidamente...

Onde perdidamente se amou.

Mas por vezes, poucas as vezes, ultrapassando a razão que insiste em se afirmar, deixando para trás a noção terrena de finitude, se desamarra a imaginação, se liberta do universo a velha chama e se reencontra uma pequena parte de mim, que foste tu...

Ou uma imensa parte de ti, que um dia, me pertenceu.

Nesse momento, mágico instante, volta a fazer sentido o inexplicável olhar, a inacreditável dimensão da alma, sem se explicar, pois não tem explicação o que para lá da razão se encontra.

E apenas o amor...

O raro amor, poderá compreender o que se esconde por entre as nuvens do tempo.

O intemporal tempo, de tão infindáveis destinos...

Do nosso infindável destino. 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Entre Memórias E Sonhos!

 

Navegando em alto mar sobre o cristalino azul, esse azul cristalino que intermitentemente seduz, deslumbrando sem parar, essa parte que insiste em buscar, por entre as águas, um desencontrado pedaço de mim mesmo...

Um pedaço de passado, escondido no fundo do mar, que abrasadoramente descansa sem se perder, e se vai perdendo misteriosamente na alma, que me pertence.

Buscando pessoas e rostos, esquecidos, adormecidos reencontros, meio despertos na infinita recordação que se entrelaça, com aquela imensidão resplandecente.

Nada poderia ter mais sentido, fazer mais sentido...

A espuma ao passar do barco, deste barco em que me encontro, trilhando ali um desejado percurso, naquele lugar que parece eternamente meu, naquele horizonte por descobrir...

Parece que tudo me pertence, sem nunca ali ter estado, misturado com aquele sorriso perdido que esforçadamente desejo encontrar, abraçando desmesuradamente a contradição em mim mesmo.

Tantas e tantas palavras amarradas ao ondular daquele barco, ao constante perder por entre mar e céu, numa infinitude que assusta...

Assusta assustadoramente a pequenez do bater do meu coração, destemperadamente só, num singelo vazio, assemelhada solidão da fugacidade intemporal.

Desejo mergulhar...

Tão profundamente quanto me permitir o sonho, sonhando intensamente, num silêncio ruidoso que desvanece devagarinho.

Tão profundamente...

Que a alma pudesse reencontrar aquele outro olhar, outra vez.

Outra e mais outra.

Mas se calhar, é equivoco, é um desesperante equivoco.

Se calhar esse mar é sangue, assim como de sangue serão as lágrimas que salgam cada parte, discretamente ousada do pensamento.

Como é sangue cada partida tua, vida após vida, até ao inusitado momento em que à distância, voltamos a vislumbrar o desenho de uma nova vida...

Mas e se for a última viagem?

O último reencontro desta intemporal viagem?

Só no fundo daquele mar repousarão as respostas, morrerá a saudade, se esconderá infinitamente tamanha resposta, tamanha tristeza, desenhada em telas eternas.

E assim, continua o barco a navegar, o mar a reluzir e o sonho a esvoaçar como se nada mais fosse importante, como se por uma vez, o passado e o presente fossem um só...

Um só!

 

 

Filipe Vaz Correia

Secretamente...

 

 

 

O que interessa desvendar;

O enigma mais discreto,

Pequeno segredar,

De um desejo secreto,

Que secretamente se perde,

Por entre um disfarçado sorriso,

Ilusório pensamento,

Imaginário impreciso...

 

Desfiando o destino;

Que ansiosamente se distrai,

Num frenético desatino,

Que arde destemperadamente...

 

O que interessa desvendar;

O que desvendado está;

Em cada pedaço desse olhar,

Que há muito te contempla...

 

No fundo da alma;

Bem lá no fundo...

 

No fundo da alma;

Se esconderá eternamente;

Este misto de sofrimento,

Mistura que intensamente,

Me pertencerá.

 

 

 

 

 

 

 

Poderei...

 

 

 

Poderei eu sonhar;

Ou sonhando devagar,

Devagarinho sem parar,

Trauteando esse amar,

Que escapou...

 

Poderei lentamente;

Observando atentamente,

Questionar ardentemente,

Essa parte de  mim,

Que te ama...

 

Poderei compulsivamente escrever;

Vezes sem conta ao entardecer,

O teu nome sem esquecer,

Tamanho amor...

 

Poderei tantas e tantas coisas;

Tantas que não as consigo soletrar,

Despedaçadamente perdido,

Por entre as pedras,

Desse caminho.

 

Poderei?

 

 

 

Acreditei...

 

 

 

Há muito que perdi;

O outro lado de mim,

Secretamente desisti,

De te reencontrar...

 

Já não se expressa no olhar;

Já não trauteio a velha canção,

Já me esqueci de recordar,

A esperançada ilusão...

 

Deixei-te partir;

Para esse amargurado passado,

Deixando de sorrir,

Como antes havia sonhado...

 

Há muito arranquei esse pedaço,

Essa parte do meu coração,

Abandonado abraço,

Arrependida desilusão...

 

Há muito;

Muito tempo atrás,

Acreditei em ti.

 

 

Retrato Da Alma!

 

Não existem letras suficientes para compor palavras, palavras suficientes para construir frases, frases suficientes para descrever este significante pormenor...

Não encontro significados tão precisos, para simplificadamente desconstruir, tudo aquilo que me vai na alma.

Esta alma incapaz de pôr no papel, o que do papel se esconde, o que escondido está na singela discrição do sentir.

Por vezes o silêncio, ruidosamente discreto, é mais intenso do que a voz, do que a certeza das palavras ardentes...

Do que a dor solitária, desta viagem sem igual por este amor.

Como se descreve, o indescritível desejo de voar?

Sem asas...

Apenas com o batimento do coração, deste desamparado coração.

Preso ao olhar, sem rede, aguardando um sinal, que como sempre, tarda...

Não existem forças capazes de disfarçar, as marcas que ficam eternamente cravadas na alma, nem vidas suficientes para esquecer tamanha frustração.

Apenas este ardor...

Ardor intenso.

Não existe sol nem chuva, lágrimas ou discretos entendimentos, capazes de abraçar todo um mundo de grotescos gritos flamejantes, de uma intemporal esperança.

E como dizia o poeta:

" Vive, vive de uma vez, todo o amor que irreflectidamente te completa, pois será esse amor que um dia será o propósito de uma vida."

Essa vida que será a tua.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Sobram!

 

 

 

Sobra a parte de mim;

Que em ti habita;

Nesse vazio sem fim,

Quando não estás...

 

Sobra o sorriso perdido;

Reflectido desmedidamente,

Sempre que ferido,

Te busco intensamente...

 

Sobra a palavra não dita;

O abraço esquecido,

A dor maldita,

Desse tempo interdito...

 

Sobram tantas coisas;

Que não consigo explicar,

As mesmas coisas,

Que um dia me levaram,

A te amar.