Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Retrato Da Alma!

 

Não existem letras suficientes para compor palavras, palavras suficientes para construir frases, frases suficientes para descrever este significante pormenor...

Não encontro significados tão precisos, para simplificadamente desconstruir, tudo aquilo que me vai na alma.

Esta alma incapaz de pôr no papel, o que do papel se esconde, o que escondido está na singela discrição do sentir.

Por vezes o silêncio, ruidosamente discreto, é mais intenso do que a voz, do que a certeza das palavras ardentes...

Do que a dor solitária, desta viagem sem igual por este amor.

Como se descreve, o indescritível desejo de voar?

Sem asas...

Apenas com o batimento do coração, deste desamparado coração.

Preso ao olhar, sem rede, aguardando um sinal, que como sempre, tarda...

Não existem forças capazes de disfarçar, as marcas que ficam eternamente cravadas na alma, nem vidas suficientes para esquecer tamanha frustração.

Apenas este ardor...

Ardor intenso.

Não existe sol nem chuva, lágrimas ou discretos entendimentos, capazes de abraçar todo um mundo de grotescos gritos flamejantes, de uma intemporal esperança.

E como dizia o poeta:

" Vive, vive de uma vez, todo o amor que irreflectidamente te completa, pois será esse amor que um dia será o propósito de uma vida."

Essa vida que será a tua.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Sobram!

 

 

 

Sobra a parte de mim;

Que em ti habita;

Nesse vazio sem fim,

Quando não estás...

 

Sobra o sorriso perdido;

Reflectido desmedidamente,

Sempre que ferido,

Te busco intensamente...

 

Sobra a palavra não dita;

O abraço esquecido,

A dor maldita,

Desse tempo interdito...

 

Sobram tantas coisas;

Que não consigo explicar,

As mesmas coisas,

Que um dia me levaram,

A te amar.

 

 

Vidas...

 

Recordo-me de tantos rostos, de tantas vozes...

Revejo em mim tanta gente, pessoas que encontrei neste destino sem fim, que percorreram por um momento o mesmo caminho que eu, que a minha alma.

A noite cai...

Chega...

Despudorada.

Sentado na janela da minha sala, sala de estar, observo as estrelas ausentes, o brilho que se esconde por entre as nuvens que teimam em cobrir esse céu.

Uma e outra luz que se acendem, brilham nas janelas, como deveriam as estrelas brilhar nos céus...

São vidas em caixas, cubículos compartimentados, impregnados de sorrisos e lágrimas, de gentes e pensamentos, alegrias e desgostos.

Tantas e tantas vidas percorrendo os seus destinos, pais e filhos, avós e netos, jovens ou velhos...

A noite cai...

O dia finda.

E continua a correr o tempo, continua a soltar-se o infinito, por entre os que morrendo desaparecem, os que nascem irrompendo, os que permanecem...

Permanecendo.

Revejo em mim tantos rostos, tantas vozes...

Tantas vidas passadas, reencontradas nesta, somente nesta, certeza única.

A noite teima em cair...

O radio continua a tocar, a janela aberta continua deixando o frio entrar, enquanto observo o céu, buscando imperfeitamente as razões para que o meu coração continue a bater descompassadamente.

A vida continua...

E vida após vida, buscarei reencontrar-te.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

Ruas...

 

 

 

Ruas estreitas;

De estreitos destinos,

Caminhadas imperfeitas,

Imperfeições e desatinos...

 

Ruas perdidas;

Perdidos receios,

Becos e feridas,

Escondendo anseios...

 

Ruas de dor,

Viagem imortal,

Mágoas de amor,

Desejo infernal...

 

Ruas e ruelas,

Com cheiros de jasmim,

Sonhos de canela,

Agruras sem fim...

 

Ruas e mais ruas,

Alma desnudada,

Verdades nuas,

Palavras tuas,

Silêncios meus...

 

Eternamente meus!

 

 

Poético Coração...

 

 

 

Caminhei por entre a vida;

Pela infinitude de sentimentos,

Carreguei tamanhas feridas,

Inquietudes e tormentos...

 

Naveguei em alto mar,

Nadei na imensidão de um rio,

Desejei sem renegar,

O teu toque, meu arrepio...

 

Voei sem sobrevoar;

Minhas lágrimas recolhidas,

Mágoas a disfarçar,

Palavras fingidas...

 

Caminhei por entre o destino;

Eternidade temporal,

Por esse imenso desatino,

Meu desejo infernal...

 

E foi passando demasiado tempo;

Na cantada vontade da minha solidão,

Solidão trazida pelo vento,

Voz de uma emoção,

Recordado sofrimento,

Deste poético coração.

 

 

Vale Encantado...

 

 

 

Um vale encantado;

Cheio de luzes e cores,

Querer disfarçado,

Por entre as dores,

Num céu pincelado,

De desgostos e amores...

 

Oiço os sons do silencio;

Ruídos de ilusão,

Num distante lugar,

Onde mora a emoção,

O secreto olhar,

Deste triste coração...

 

E segredando ao vento;

A ausente companhia,

O presente tormento,

A entrelaçada nostalgia...

 

Num vale encantado;

Onde verdadeiramente,

Aquele menino,

Torna a ser feliz.

 

 

 

 

Só Se Ama Uma Vez....

 

 

 

Raios de sol;

Ventos de mudança,

Clave de sol,

Sons de esperança,

Cheiros de mentol,

Antiga herança...

 

Memórias temperadas;

De faces e rostos,

Lágrimas salgadas,

Tristezas e desgostos...

 

Beijos e abraços;

Afagos perdidos,

Imagens a espaços,

De tempos antigos...

 

Não volta atrás o tempo;

Não regressa o imenso olhar,

Não me pertencerá o infinito,

Desse eterno amar...

 

Porque só se ama;

Uma vez.

 

 

Composição De Amor

 

 

 

Não sei explicar;

Esse ardor que sinto,

Esta forma de amar,

Amor, não minto...

 

Certa grandeza do ser;

Grandeza que consome,

Vontade de descrever,

Esse olhar que absorve...

 

Olhar escondido;

Vergonha interdita,

Coração ferido,
Numa ilha perdida...

 

E distante;

Bem ao longe,

Miragem hesitante,

De um imenso amor...

 

Tão imenso;

Sentimento gigante,

Desejo intenso,

Eterno e asfixiante...

 

Já não grita a singela vontade;

Já não sobra a antiga surpresa,

Já não resta a ausente saudade,

Incerta, incerteza...

 

E sobra a maldita ilusão;

Uma espécie contraditória de dor,

Indolor contradição,

Do que um dia,

Foi amor.

 

 

 

 

 

Aventurada Desventura...

 

 

 

Solitária vontade;

Impregnada ventania,

Desesperante saudade,

Das canções que um dia,

Ousaram tocar...

 

Destemperado querer;

Quisera o tempo saber,

Sabendo o leve bater,

Deste destinado viver,

Tão meu...

 

Desventurada aventura;

Olhar pejado de ternura,

Desembarcada candura,

Entrelaçada loucura,

Que nos abraça...

 

Desalinhada escrita,

De uma lágrima descrita,

Descrevendo a inaudita,

Viagem...

 

Viajando;

Por entre  as palavras,

Da solidão.