Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Alma...

 

 

 

Silêncios ruidosos;

Ruidosos vazios,

Vazios repletos,

De repletos desafios,

Desafiando inquietos,

Inquietos arrepios,

Arrepiantes e incertos,

Como lágrimas num rio,

Que corre desperto,

Desaguando sobre a tristeza,

Que não desejo calar...

 

Vai então caminhando;

Pelo caminho o tempo,

A dor serenando,
Afagando o tormento,

Aquela saudade disfarçando,

Acalmando o sofrimento,

Discretamente viajando,

Através da alma...

 

Sempre a alma;

Somente a alma,

Intensamente a alma,

Que me pertence,

Mas que eternamente,

Será também,

Tua.

 

 

 

 

O 4º Mandato Da Chanceler Merkel!

 

A Alemanha votou, perto de 80% dos seus eleitores, expressando assim a vontade de quase 70 Milhões de pessoas.

Os resultados eleitorais, um pouco confusos quanto aos cenários de Governação, permitiram tirar algumas conclusões, a mais alarmante de todas a subida do AFP, Partido Nacionalista radical, que conseguiu pela primeira vez assento no Bundestag...

Sendo esta última a mais alarmante, não poderemos deixar de olhar para outras conclusões desta noite eleitoral, como por exemplo, o imenso desgaste sentido nas duas maiores forças políticas Alemãs: 

A CDU e o SPD.

Merkel vence, e uma vitória será sempre uma vitória, no entanto, é o partido que mais desce nas votações, quase 9% menos do que havia conquistado em 2013, assim como, o SPD de Martin Schulz que perde 5% de eleitores em igual período...

Este é mesmo o pior resultado de sempre do SPD.

Estes resultados demonstram o imenso desgaste causado pela Grande Coligação formada por estes dois partidos, durante os quatro anos da anterior legislatura, deixando um espaço vazio para o descontentamento popular, para a insatisfação que certamente encontrou abrigo no populismo radical dos Nacionalistas de extrema direita.

O SPD rejeita agora a reedição desta Grande Coligação, tentando buscar um novo caminho que possa resgatar a confiança de milhões de eleitores que acabaram por se desiludir com os Sociais-Democratas Alemães...

Assim, restará a Merkel um acordo com os Liberais e com os Verdes, cenário difícil, no entanto, talvez o mais provável de todos, arquitectando assim uma espécie de Geringonça ideologicamente improvável.

Evitar que o AFP com o seu pensamento radical, marque a agenda política e mediática na Alemanha, será uma das principais obrigações de todos os partidos que não se revêem neste discurso de segregação e ódio, mas será também importante respeitar a vontade dos 13% de eleitores que votaram neste partido radical e acima de tudo, tentar entender a razão pela qual as pessoas sentiram a necessidade de votar num partido como este.

Começarão as negociações para uma solução Governativa, com a certeza de que Angela Merkel continuará a ser a Chanceler da Alemanha e a líder política da Europa.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

   

 

Minha Querida Benedita.....


Minha querida Benedita, pensei em lhe escrever uma poesia neste dia em que a menina foi baptizada, no entanto, as palavras eram imensas, as emoções incontroladas e as recordações tão expressivas, como intensas...

Nunca havia conhecido a Capela de Nossa Senhora de Monserrate e que dia tão especial para a conhecer, num misto de sentimentos inexplicável, deste Tio, meio Padrinho, orgulhoso, secretamente inebriado pela sua impecável postura.

Sedutoramente encantadora, embevecidamente educada, deslumbrantemente discreta, assim esteve a minha sobrinha na cerimonia do seu baptizado, mas não só nesse momento, como também no resto do dia, na festa em casa de seus pais, nos braços de seus avós, através dos olhares de todos aqueles que consigo partilharam este dia.

Uma vida que se inicia, um destino que começa, um olhar impregnado de curiosidade, diante de uma solarenga tarde que antevê um mundo novo, repleto de desafios e labirintos, porém sempre consciente dos valores que certamente a nortearão.

Minha querida Benedita, que gosto imenso em fazer parte dessa vida que agora se inicia e que espero repleta de coisas boas...

Porque este Tio, será eternamente seu.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

E Agora Espanha?

 

Volto a escrever sobre Barcelona, consoante a minha estupefacção pelo caminho extremado, por onde resolveram seguir as duas partes desta discórdia...

A Catalunha de orgulho ferido, grita aos quatro ventos, a determinação em resgatar a dignidade amordaçada pelos invasores de Madrid, recuperando a figura do Generalissimo Franco como justificativa para a repressão imposta pela Guardia Civil.

Nas Calles da Catalunha nota-se a revolta, o destemido momento em que as pessoas quiseram sair à rua, para se juntarem àqueles que no seu entendimento defendiam o Ser Catalão e é aqui que poderá se confrontar, o passado e o futuro de Espanha.

Rajoy como ainda ontem escrevi, não entendeu o favor que fazia aos Independentistas Catalães, ao endurecer as medidas repressoras para com aqueles que organizavam este referendo, permitindo uma percepção de injustiça, que une...

Que contribui para a narrativa separatista.

Este caminho apocalíptico, de confronto despudorado, poderá traçar um desmembramento Espanhol, frágil em certos domínios, silenciado mas não adormecido e que reflectido nesta revolta Catalã, poderá despertar como um furacão impossível de travar.

O que esperar do País Basco perante uma Independência catalã?

Como controlar as reivindicações de outras regiões?

O futuro de Espanha joga-se neste referendo, nesta disputa entre o centralismo democrático e a vontade orgulhosa de um povo...

A Catalunha é uma das regiões mais ricas de Espanha e isso não pode ser dissociado da questão Independentista, no entanto, o esventrar dessa unidade, do Ser Espanhol, terá repercussões inimagináveis na arquitectura da Nação Castelhana.

Assim, sobrevoando toda a inquietude que por estes dias toma lugar pelas Calles da Catalunha, não será demais dizer...

Que o futuro de Espanha, será também, o resultado deste referendo.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Os Meus Olhos!

 

 

 

Se os meus olhos;

Te dissessem,

O que não podem dizer,

Se descrevessem,

O que não querem descrever,

Se gritassem,

O silêncio a doer,

Se revelassem,

As feridas a arder...

 

Se os meus olhos;

Reflectissem em ti,

Essa parte de mim,

Que ainda te ama...

 

Então;

Desesperançadamente,

Por entre a solidão,

Talvez voltasse a bater,

Descompassadamente,

Este apaixonado coração.

 

 

 

 

 

O Referendo Da Discórdia!

 

A Catalunha está a ferro e fogo, num braço de ferro entre a Generalitat e o Governo central de Madrid, por entre um Referendo que ameaça desconstruir a unidade Espanhola.

Entendo a questão que inquieta Mariano Rajoy e todos aqueles que acreditam numa Espanha Una e Indivisível, no entanto, o caminho escolhido para impedir a realização do tão desejado Referendo, pelos Independentistas, parece-me um erro colossal.

A lei está do lado de Rajoy, a constituição protege aqueles que alegam a ilegalidade deste acto, porém com estas detenções, aquilo que o Governo de Madrid conseguirá, será transformar em mártires, os desafiadores da República...

Ao ordenar à Guardia Civil que prendesse vários daqueles que organizam este Referendo ilegal, Rajoy acabou por indignar muitos dos que silenciosamente observavam esta fricção divisionista, unindo a generalidade dos Catalães, numa revolta incontrolável.

Esta espécie de demonstração de força Madrilena, pouco avisada na minha opinião, cria na sociedade Catalã a sensação de intolerância e opressão, ganhando expressão o grito de revolta que se tornará no maior apoio aos intentos da Generalitat e aos seus apoiantes independentistas.

Receio que esta batalha em torno da Independência da Catalunha, caminhe para um extremar de posições para a qual não se encontre uma solução conciliadora, capaz de serenar os ânimos anti-autonómicos em Espanha.

Se o Referendo avançar, irá o Governo de Espanha prender todos aqueles que se apresentarem para votar?

Dúvidas e questões que certamente adensarão este Referendo, que tanta discórdia tem provocado.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

A Reinvenção De Um Génio!

 

No dia em que Donald Trump foi discursar às Nações Unidas, pensei em lhe reservar um pedaço desta Caneca, para esse tão esperado discurso...

Não defraudou.

No entanto, durante a tarde, sentado à mesa da pastelaria Londres, deparei-me com algo que a minha singela ignorância, ainda não me havia permitido descobrir...

O velho Herman José, no seu actual Instagram, embrenhado por essas novas tecnologias, reinventando o humor, desbravando caminho por entre as novas gerações, deslumbrando o comum internauta, com pequenos trechos de genialidade.

Dois minutos em vídeo, das mais variadas personagens, interpretações perfeitas, satirizando como só ele sabe, ridicularizando sem ofender, a própria essência de cada uma daquelas personagens.

Que saudades do meu Herman, do nosso Herman...

Durante quase uma hora, deliciei-me vídeo após vídeo, de Lili Caneças a Maria Bethânia, de Miguel Sousa Tavares a João Villaret, de Maria Vieira a Donald Trump.

Como explanar por palavras a extraordinária imaginação de um humorista que surpreende, que nos resgata uma gargalhada, como se de um simples traço de um intemporal artista.

Herman agarra os mais jovens, uma vez mais, como já havia feito com os seus Pais há décadas atrás, voltando a ressuscitar, sem filtros, sem rede, como só ele poderia fazer.

Parece o mesmo Herman da Roda da Sorte ou do Tal Canal, do Casino Royal ou do Herman Enciclopédia, escapando ao desgaste temporal que muitas vezes aprisiona o talento daqueles que por instantes brilharam...

Com o Herman é diferente, pois o tempo verga-se diante da reinvenção de tamanha genialidade.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

A Sondagem Do JN!

 

A sondagem do Jornal de Noticias, publicada esta Segunda-Feira, antecipa um cenário inesperado para Lisboa, mesmo tendo em conta a campanha eleitoral feita, em particular, pelo PSD...

Os resultados publicados confirmam a mais do que expectável vitória de Fernando Medina, muito aquém da herança deixada por António Costa nas anteriores Autárquicas, no entanto, muito perto da Maioria Absoluta...

Digamos até, que este será um problema inexistente para Medina, pois se teoricamente poderá perder a Maioria de que dispõe na Autarquia de Lisboa, na prática, com o resultado surpreendente desta sondagem, facilmente o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa fará um acordo que o possibilitará Governar, com a tão ambicionada Maioria Absoluta.

O CDS e a sua líder, serão se tudo correr de acordo com o JN, os grandes vencedores da noite, pois um resultado de 17% não só legitimará a liderança de Assunção Cristas, como lhe dará o papel de principal Partido da oposição, na Capital...

Estrondosa vitória.

Do outro lado, encontramos o PSD, sucumbindo ao desnorte com que planeou este processo Autárquico, revelando o abismo imenso suportado por esta liderança e os seus apaniguados...

Se o PSD tiver os tais 16%, que indica esta sondagem, e sinceramente não me custa a crer, isto revelará o estado miserabilista em que se encontra, ou seja, a perda de dimensão política na sociedade civil.

O percurso traçado por Pedro Passos Coelho, uma mistura entre o Trumpismo e o PNR, assegurará, caso os militantes não resgatem o Partido, um desaparecimento gradual na esfera de influência política, que sempre foi marca do PPD/PSD.

Teresa Leal Coelho é mais do que um péssima escolha, é o reflexo do pensamento ideológico de Pedro Passos Coelho ou o vazio intelectual que norteia este dito pensamento.

Esta derrota, talvez possa salvar o PSD, mostrando a todos o quão errado está este caminho, pelo qual o estão a levar.

Assim fazendo fé nesta sondagem, quase todos se salvarão, uns melhores do que outros e será certamente na direita, que os opostos mais se farão sentir...

Festa de arromba no Caldas e um Inverno rigoroso na Rua de São Caetano à Lapa.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Estranha Forma De Viver

 

 

 

As palavras nesta carta;

Que te escrevo;

Escrevinhando com a alma,

A desdita de uma vida...

 

De um destinado destino,

Descrito de maneira indescritível,

Lágrima sem tino,

Desenho inexplicável...

 

Sincera forma de amar,

Perdida por entre segredos,

Amargura a guardar,

Os receios e medos...

 

Porque nesta estranha forma de dor;

Aprisionado doer,

Sobra tinta neste amor,

Nessa estranha forma de escrever...

 

E escrevinhando;

Sem parar,

Libertando,

Sem calar,

As letras pequenas em mim mesmo,

Me reinvento,

Reinventando,

Esta estranha forma de viver....

 

Que vive em mim.