Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Ruas...

 

 

 

Ruas estreitas;

De estreitos destinos,

Caminhadas imperfeitas,

Imperfeições e desatinos...

 

Ruas perdidas;

Perdidos receios,

Becos e feridas,

Escondendo anseios...

 

Ruas de dor,

Viagem imortal,

Mágoas de amor,

Desejo infernal...

 

Ruas e ruelas,

Com cheiros de jasmim,

Sonhos de canela,

Agruras sem fim...

 

Ruas e mais ruas,

Alma desnudada,

Verdades nuas,

Palavras tuas,

Silêncios meus...

 

Eternamente meus!

 

 

Caneca de Letras: Um Ano Depois!

 

Um ano depois...

Precisamente há um ano, comecei esta aventura a que chamei de Caneca de Letras, um pedaço de mim em forma de blog, mistura de opiniões e desabafos, de contos e poemas, de lágrimas e alma.

Um ano de linhas e palavras, post diários, quase sem falhas, sem obrigação apenas dedicação, vontade intrínseca ou compulsiva de escrever e partilhar.

Escrever é uma parte significativa de mim, uma espécie de lado lunar da alma, de bater descompassado do pensamento.

Comecei a medo, sem saber como fazer ou o que escrever...

Em primeiro lugar, quero agradecer a toda a equipa do Sapo, pelo carinho e atenção que sempre deles senti, pelos destaques, pela experiência única de me sentir apreciado, acarinhado.

Ao longo deste ano, muitas foram as pessoas que marcaram este espaço, muitas aquelas que não conhecendo as senti como minhas...

O primeiro favorito, Does a Name Matter, os primeiros comentários da minha querida Roxie, do meu querido Anjinho ou do sempre presente Anónimo em Lisboa. 

O tempo passou e a família do Caneca de Letras foi crescendo, foram chegando novas pessoas, refrescantes opiniões, repetidas visitas:

O Último Fecha a Porta, Robinson Kanes, Ventania, A Desconhecida, Mami, Cheia, Beia Folques, A Rapariga Do Autocarro, Sérgio Ambrósio, David Marinho, MJ, Andreia, Terminatora, A Lady, Travellight World, Pedro Rodrigues, Malik e tantos outros.

Um ano de encontros e reencontros, de gentes e gestos, de memórias e desejos.

Sempre guardei para mim o que me ditava a alma, envergonhada maneira de me expressar...

Ao expor a minha escrita nesta Caneca, acabei por desnudar essa vergonha que asfixiava a minha inquieta vontade de dar asas à imaginação.

Um ano...

Um ano de amizade, velhos reencontros, histórias perdidas, pedaços de vidas que já me havia esquecido.

Um agradecimento especial  a um dos meus mais fiéis leitores:

O meu Tio Jaime.

Por fim, mas certamente a parte mais importante, agradecer a infinita paciência da minha querida mulher, que vezes sem conta, ouve atentamente poesias ou prosas, antes de as publicar...

Repetidamente, vezes sem conta.

Obrigado a todos e que venha mais um ano desta Caneca, impregnada de sonhos e Letras.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Passado...

 

 

 

Será que posso revelar;

O que esconde o meu coração?

 

O que esconde a emoção;

Desbravando inquieto,

O carregado semblante,

Desse receio, entrelaçado,

Esse medo, aprisionado,

Em cada lágrima nossa...

 

Em cada memória;

Guardada em nós,

Pedaço de história,

Cravado na pele,

No sentido destino,

Da alegórica alma...

 

E vai continuando;

A louca melodia,

O deslumbrante pensamento,

Do que foi um dia,

Esse nosso amor.

 

 

Amigo...

 

Como confiar em alguém?

Como saber que é essa a pessoa, em quem poderás confiar?

Questões difíceis, atormentadoramente difíceis e que desnudam a essência duvidosa do sentimento Humano...

Não tenho muitos amigos, direi mesmo que tenho poucos, no entanto, conheço muitas pessoas, gente que aprecio, com quem simpatizo, com quem troco sorrisos e graçolas, em ambiente descontraído, confiante, por vezes intimista.

Mas confiarei nessas pessoas?

Nunca...

Jamais!

Para mim, essa questão nunca me acrescentou dúvidas, provocou hesitações, interrogações da alma...

Sempre tive a noção até onde poderia ir a minha entrega emocional, o desnudar da minha verdadeira alma, essência das minhas fraquezas, sinceras fragilidades.

Tenho verdadeiramente poucos amigos na vida, poucas pessoas em quem depositaria a minha vida, o meu coração...

Sem nunca esquecer aquele amigo que perdi há mais de vinte anos.

Amigos em quem confio sem barreiras, sem máscaras, sem timidez, completamente entregue à essência, do meu verdadeiro eu.

No mundo de hoje, onde as pessoas têm mil amigos, vinte mil gostos ou coisa que o valha, contenta-me saber que através de um olhar alguém me reconhece, entende o que sinto, sente o que por vezes, ainda não entendi...

A amizade para mim é isso mesmo, o abraçar para lá do entendimento, estar presente na ausência do questionamento, questionar sem deixar de estar ao lado.

Este texto é uma homenagem a essas poucas pessoas que me pertencem, assim como, também eu sou parte deles, na confiança, na extrema entrega e essencialmente na infindável forma de amar...

Pois a amizade, nada mais é do que uma bela forma de amor, incondicional, emocional, eternamente leal...

Eternamente presente.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Vale Encantado...

 

 

 

Um vale encantado;

Cheio de luzes e cores,

Querer disfarçado,

Por entre as dores,

Num céu pincelado,

De desgostos e amores...

 

Oiço os sons do silencio;

Ruídos de ilusão,

Num distante lugar,

Onde mora a emoção,

O secreto olhar,

Deste triste coração...

 

E segredando ao vento;

A ausente companhia,

O presente tormento,

A entrelaçada nostalgia...

 

Num vale encantado;

Onde verdadeiramente,

Aquele menino,

Torna a ser feliz.

 

 

 

 

Geométrico Coração...

 

 

 

Consigo ver através do escuro;

Os silêncios desenhados,

Consigo adivinhar o futuro,

Por entre círculos e quadrados...

 

Formas geométricas;

Destinos coloridos,

Caminhos assimétricos,

Dias repetidos...

 

Lua nova ou minguante,

Pouco importa, para mim,

Lágrima errante,

Que sufoca sem fim...

 

Que sufoca com empenho;

A alma aprisionada,

Aprisionando ao desenho,

A imagem desejada...

 

Feita por rabiscos,

De um geométrico coração.

 

 

Os Segredos Do Meu Coração

 

 

 

Sei lá eu;

Como escrever,

Desabafos interiores,

Descrever este doer,

Tristezas e dores,

Mágoas a esquecer,

Que não esquecem tais sabores,

Guardados em mim...

 

Guardados na alma;

No cantar de tamanha voz,

Na lágrima serena,

Que nunca corre só...

 

Porque nos recantos;

Lá escondidos,

Onde mora o coração,

Viverão para sempre,

Perdidos,

Os segredos desta emoção...

 

Os segredos;

Do meu coração.

 

 

Alma...

 

 

 

Silêncios ruidosos;

Ruidosos vazios,

Vazios repletos,

De repletos desafios,

Desafiando inquietos,

Inquietos arrepios,

Arrepiantes e incertos,

Como lágrimas num rio,

Que corre desperto,

Desaguando sobre a tristeza,

Que não desejo calar...

 

Vai então caminhando;

Pelo caminho o tempo,

A dor serenando,
Afagando o tormento,

Aquela saudade disfarçando,

Acalmando o sofrimento,

Discretamente viajando,

Através da alma...

 

Sempre a alma;

Somente a alma,

Intensamente a alma,

Que me pertence,

Mas que eternamente,

Será também,

Tua.

 

 

 

 

Aventurada Desventura...

 

 

 

Solitária vontade;

Impregnada ventania,

Desesperante saudade,

Das canções que um dia,

Ousaram tocar...

 

Destemperado querer;

Quisera o tempo saber,

Sabendo o leve bater,

Deste destinado viver,

Tão meu...

 

Desventurada aventura;

Olhar pejado de ternura,

Desembarcada candura,

Entrelaçada loucura,

Que nos abraça...

 

Desalinhada escrita,

De uma lágrima descrita,

Descrevendo a inaudita,

Viagem...

 

Viajando;

Por entre  as palavras,

Da solidão.