Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

O 4º Mandato Da Chanceler Merkel!

 

A Alemanha votou, perto de 80% dos seus eleitores, expressando assim a vontade de quase 70 Milhões de pessoas.

Os resultados eleitorais, um pouco confusos quanto aos cenários de Governação, permitiram tirar algumas conclusões, a mais alarmante de todas a subida do AFP, Partido Nacionalista radical, que conseguiu pela primeira vez assento no Bundestag...

Sendo esta última a mais alarmante, não poderemos deixar de olhar para outras conclusões desta noite eleitoral, como por exemplo, o imenso desgaste sentido nas duas maiores forças políticas Alemãs: 

A CDU e o SPD.

Merkel vence, e uma vitória será sempre uma vitória, no entanto, é o partido que mais desce nas votações, quase 9% menos do que havia conquistado em 2013, assim como, o SPD de Martin Schulz que perde 5% de eleitores em igual período...

Este é mesmo o pior resultado de sempre do SPD.

Estes resultados demonstram o imenso desgaste causado pela Grande Coligação formada por estes dois partidos, durante os quatro anos da anterior legislatura, deixando um espaço vazio para o descontentamento popular, para a insatisfação que certamente encontrou abrigo no populismo radical dos Nacionalistas de extrema direita.

O SPD rejeita agora a reedição desta Grande Coligação, tentando buscar um novo caminho que possa resgatar a confiança de milhões de eleitores que acabaram por se desiludir com os Sociais-Democratas Alemães...

Assim, restará a Merkel um acordo com os Liberais e com os Verdes, cenário difícil, no entanto, talvez o mais provável de todos, arquitectando assim uma espécie de Geringonça ideologicamente improvável.

Evitar que o AFP com o seu pensamento radical, marque a agenda política e mediática na Alemanha, será uma das principais obrigações de todos os partidos que não se revêem neste discurso de segregação e ódio, mas será também importante respeitar a vontade dos 13% de eleitores que votaram neste partido radical e acima de tudo, tentar entender a razão pela qual as pessoas sentiram a necessidade de votar num partido como este.

Começarão as negociações para uma solução Governativa, com a certeza de que Angela Merkel continuará a ser a Chanceler da Alemanha e a líder política da Europa.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

   

 

Auf Wiedersehen, Senhor Kohl...

 

Morreu Helmut Kohl, o antigo Chanceler da Alemanha, o Pai da Reunificação das duas Alemanhas:

RFA e RDA.

O histórico líder da CDU, retirado há alguns anos da vida política, marcou indelevelmente o trajeto do seu País e de todo o continente Europeu, através do seu papel na construção Europeia, do seu projeto político e económico...

Contemporâneo de nomes como Margaret Thatcher, François Mitterrand, Felipe Gonzalez, Ronald Reagan ou Mikhail Gorbachev, Helmut Kohl viveu e interveio numa época de desenvolvimento e mudança, de esperança num futuro com que todos ansiavam.

Uma época de estadistas por essa Europa a fora, de políticos capazes de intervir sem demagogia, de inovar sem destruir, de caminhar sem deixar ninguém para trás, de aglutinar sem muros ou separações...

Pensar em Helmut Kohl, é sonhar com esse futuro prometido e que na verdade tarda em chegar mas é também manter a crença de que será possível regressar a esse pensamento construtivo, para uma Europa mais forte e menos dividida.

Por tudo isto e talvez por muito mais que desconheço, um sentido obrigado, a um estadista que aprendi a admirar e acima de tudo, respeitar.

Porque um político sem ideias, sem ideais, como se observa actualmente com Theresa May, pode vencer eleições mas nunca terá um legado para respeitar.

Auf Wiedersehen, Herr Kohl.

 

Filipe Vaz Correia