Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Sete Anos, Sem Ti!

 

Passaram sete anos...

Sete longos anos, carregados de nostálgicos momentos, de ausentes conversas, de longínquas recordações de um tempo perdido.

Faz hoje sete anos desde aquele dia sombrio, entardecer maldito, violenta despedida despedaçada...

Sete anos que voaram apertando, vezes sem conta, este coração, que muitas vezes insisto em esconder, escondendo da própria alma, as marcas imensas que nele ficaram cravadas, cicatrizes intemporais, tão eternas, como eterna será a dor deste desencontro sem fim.

Gostava de acreditar que estás aí, sentada no céu, olhando para baixo, acompanhando passo a passo, cada pedaço de mim, que é teu...

Há dias que sim...

Tem outros que não.

Sinto saudades, minha Mãe, sete anos de saudades, sentida forma de amor maior, que a morte não conseguiu desbravar, que a distância não conseguiu diminuir, que a insistente dor dessa tua ausência, jamais conseguirá roubar.

Sete anos...

Sete anos de cada dia, cada instante pequeno ou maior, cada pedaço de chuva, cada olhar meu, que te fugiu pelo tempo, maldito tempo que teima em passar, sem ti.

E sem ti é o que mais custa escrever, o que mais exaspera a alma que é minha e te pertencerá eternamente, sem saber esquecer o inesquecível amor da minha vida.

Foi por ti que aprendi a caminhar, dando-te a mão, essa que me amparou em cada dia, por cada dia desta vida tão nossa, foi com a tua voz que aprendi a soletrar, juntando as letras que agora aqui escrevo:

Mãe!

Foi com o teu abraço que aprendi a amar, sentindo através do teu olhar o conforto desmedido, incondicional que somente ali fazia sentido...

Foi com o teu beijo que sempre, mas sempre voltei a ser o menino de outrora.

Já não sou Mãe esse menino...

Menino esse que ali ficou também, há sete anos, aprisionado às tuas últimas palavras, refém das cicatrizes que regressam em cada momento, a cada doloroso momento.

Mas nos teus sorrisos que ainda guardo em mim, nas memórias que nos pertencem, reencontro sempre o antídoto para tamanha tristeza, e a certeza imensa de que todos os anos deste amor maior, ficarão para sempre guardados, na pequena alma, deste menino teu.

Amo-te.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

16 comentários

Comentar post