Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

O Menino Que Um Dia Sonhou...

 

Era uma vez um menino impregnado de esperança, amarrado aos seus livros ansiando encontrar naquelas palavras algum conforto para a sua inquieta insatisfação...

O seu quarto era poiso de muitos mundos, guardava muitos segredos, muitas vontades, muitos sonhos, fechados por trás da porta que o separava do resto da casa.

Os seus avós, velhinhos, não sabiam que dentro daquelas paredes o seu neto podia esvoaçar por locais desconhecidos, encontrar destinos inimagináveis, reencontrar rostos perdidos.

Podia até sonhar...

Sonhando que a eternidade lhe ofereceria o direito de ter sempre perto de si aqueles que mais amava, aqueles que mais amou, aqueles que amaria para sempre.

O tecto do seu quarto tinha por vezes nuvens cinzentas, outras vezes um radioso sol, as paredes estavam cheias de árvores pejadas de animais e o chão...

Por vezes o chão parecia desaparecer para que ele pudesse levitar com as asas da sua imaginação.

Tantas e tantas vezes que ali, o mundo se tornava uma aventura, onde a qualquer momento surgia um amigo, se reerguia um inimigo, se degladiavam Reis e Príncipes, por Reinos e castelos.

Tantos anos se passaram desde que o menino cresceu, saiu e verdadeiramente voou, para deixar para trás essas aventuras que o moldaram no segredo da sua infância.

Até ao dia...

Esse dia em que regressou à mesma casa, ao mesmo quarto de sempre, sem os Avós, sem os quadros, sem os sonhos.

As paredes vazias reencontravam neste Homem, aquele menino que um dia ali morou, o mesmo menino que  um dia desejou que aquele reino, o seu quarto, fosse eternamente eterno.

E nesse momento, sabendo que o destino nem sempre cumpre as promessas sonhadas por uma criança, este antigo sonhador deixava apenas que as suas lágrimas pudessem brindar aquele chão de onde partira...

Já não conseguia sonhar mas ainda tinha memória para recordar a criança que um dia dentro dele esperançosamente habitou.

Habitando por entre as saudades desse mundo e desses Avós eternamente seus.

 

 

Filipe Vaz Correia