Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

O Chavismo Leonino

 

Uma equipa sem dinâmica, amorfa, ofensivamente incapaz, traduzindo desesperadamente a realidade inconsequente, de um Leão sem esperança.

O Sporting que entrou em campo para jogar contra o Steaua foi isto mesmo, um conjunto desgarrado, alertando os adeptos para o fracasso eminente da estrutura.

Estes adeptos sedentos de glória, a mesma que está inscrita no seu lema, acreditaram, acreditam neste projecto popular, por vezes popularucho, que lhes prometeu os tão ambicionados troféus, através da sapiência desse magnifico treinador, dono de uma verdade, cada vez mais difícil de ser justificada.

Os equívocos permanentes, contratações adiadas, rejeições anunciadas de meninos de Alcochete, se mistura com o discurso desconexo e até impreciso.

O Sporting entretém-se com o acessório, desprezando o essencial num caminho distorcido, impregnado de alucinantes erros de casting.

Depois deste jogo da pré-eliminatória da Liga dos Campeões, fico desesperançadamente esclarecido sobre o futuro desta equipa, que se amarra atrás na tentativa de defender bem, esquecendo-se que uma equipa grande necessita inevitavelmente de correr riscos, desequilibrar insistentemente na procura de ser melhor...

Este Sporting não encanta, nem poderia, pois carece de fantasia, não que ela não exista, no entanto, é impossível pedir fantasia quando se prende aqueles que a podem libertar.

Gelson sozinho num flanco, já que o jovem Piccini é do ponto de vista futebolístico inexistente, Podence encurralado entre os defesas adversários, ao lado de um ponta de lança pouco móvel, Adrien preso de movimentos ao lado de um seis que facilmente se desposiciona e por fim a inexistência de um extremo desequilibrador do lado esquerdo...

E o Sporting até o tem, chama-se Iuri Medeiros, só que passa os jogos sentado no banco e assim convenhamos é difícil desequilibrar.

Para terminar, neste texto em jeito de desabafo, fica a esperança de que algo mude, para que o futuro do meu querido clube, possa trazer com ele os sonhos que todos ambicionamos.

Assim como na política, as revoluções no futebol, trazem sempre uma esperança inicial que o tempo se encarrega de diluir na triste realidade da incompetência.

É assim que se encontra o meu Sporting, esperando que o seu reinado Chavista passe...

Para que um novo tempo chegue.

 

 

Filipe Vaz Correia