Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Descompassados Destinos...

 

Nem sempre é fácil confiar, confiando a parte de nós que nos é secreta, somente nos pertence....

Nem sempre é fácil caminhar, deixando para trás as amarras que nos foram agrilhoadas ao longo do tempo.

Por vezes é preciso fechar os olhos, estender as mãos, e crer...

Acreditar no espelho reflectido daquele olhar, daquela pessoa que acreditas te completar, fazer parte desse destino teu, imprecisamente teu, esforçadamente teu.

Por vezes é preciso arriscar, sentir a alma que pensas te confortar, ou que aparentemente te preenche, ousadamente descompassada, mentirosamente imperfeita...

Nesse instante, nessa mentira que se tornará a desleal traição, descobrirás que não é amor aquele disfarçado olhar, que não são verdade aquelas palavras transformadas em destino, esse mesmo destino que julgavas repleto.

Nesse imerecido momento, nessa dor que arrebatará a derradeira alma, descobrirás que entregaste esse bem maior, sem saber que sobraria o vazio...

Esse bem maior que é o teu coração.

Ficará a dor, a desilusão...

A desilusão de um destino.

 

 

Filipe Vaz Correia