Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Adeus, Meu Amor!

 

 

 

Nada é maior do que aquilo que sinto;

Nada vale mais do que esta dor,

Nada é sentido quando minto,

Acerca deste meu imenso amor...

 

 Nada me fere mais do que este magoar;

Este malfadado desencontro,

Nada me irá custar,

Como o fim desse reencontro...

 

Nada valerá a pena;

Nessa angústia sem fim,

Do saber que apenas,

Nos sobrará este fim...

 

Uma despedida;

Sem palavras,

Desnudada,

Num intemporal adeus!

 

 

Alguém Me Sabe Dizer, Onde Fica A Direita?

 

Alguém me sabe dizer, onde fica a Direita?

Esta pergunta faz cada vez mais sentido, no panorama político Português, devido ao estado absolutamente lamentável em que se encontram PSD e CDS, com lideres distintos mas ambos absolutamente inaptos para o atual cenário.

Comecemos pelo PSD, esmagado pelas suas contradições, pela continuidade da liderança e do projeto, aborrecidamente ultrapassado, incapaz de lidar com os desafios que se lhe apresentam...

Pedro Passos Coelho acreditou que o seu discurso repressor, do ponto de vista das expectativas, austeritário do ponto de vista moral, o levariam inevitavelmente ao sucesso na construção de um novo País e de um novo povo.

Enganou-se!

Aquele ar melodramático, como se fosse um tristonho tenor de um opereta mediana, com que se apresentava aos Portugueses, com a conivência do anterior inquilino de Belém, permitia formar um dueto que rapidamente se desgastou na opinião pública mas que se mantinha minimamente assente no facto de parecer que aquele caminho proposto era mesmo a única alternativa...

Com a chegada ao poder do Imperador Marcelo e do optimista Costa, o Houdini da política Portuguesa, tudo se desmoronou numa conjuntura astral que parece ter concorrido para a destruição da narrativa Coelhista.

E preso nessa contradição Passos continua numa sala escura, alimentando a amargura juntamente com as Marias Luís, os Montenegros ou os Leitões Amaros do aparelho Social Democrata.

O CDS por sua vez, renovou-se na continuidade...

Portas astuto e inteligente percebeu que tinha se esgotado o seu espaço político e  foi cuidar da sua vida, deixando o partido livre para escolher um caminho diferente, procurar uma alternativa que pudesse construir uma verdadeira oposição neste processo guiado pela Geringonça.

O CDS escolheu Cristas, a anterior Ministra do Mar, dos Transportes e da Agricultura...

Ou seja, escolheu mudar o rosto e manter o rumo, com a inevitabilidade de ter perdido o talento e qualidade inerentes a Paulo Portas e que efetivamente Assunção Cristas não possui.

A sua candidatura à Câmara Municipal de Lisboa, gesto de suposta consolidação política, será certamente o seu epilogo...

O projeto político do CDS é um conjunto de banalidades e disparates, como a construção das vinte novas estações de Metro ou a ideia absolutamente idiota de conceder um ano sabático aos Funcionários Públicos, Remunerado, durante a sua vida profissional ativa.

Remunerado?????

Assim de saia travada ou destravadamente, de botas e calças de ganga para todo o terreno, a líder do CDS continua perdida na procura de um destino que lhe é difícil vislumbrar, no meio de tamanho nevoeiro.

Assim a questão que me ocorre com frequência é esta:

Onde podemos nós encontrar a Direita Portuguesa?

Bem somente às quintas feiras pelas onze da noite, na SIC noticias.

E mesmo António Lobo Xavier, me parece, desanimado...

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

Interminavelmente!

 

 

 

Vou tentar descrever;

Escrevendo o que sinto por ti,

Sem saber como dizer,

O quão imenso é...

 

É uma forma de sonhar;

Um sorriso discreto,

Um simples escutar,

Desse bater secreto,

Da minha alma...

 

É um querer constante;

Uma verdadeira constatação,

Um prazer viajante,

Viajando pelo meu coração...

 

É um desejo indescritível;

Um carinho arrebatador,

Um mundo indecifrável,

Denominado de amor...

 

É um pedaço de ternura;

Voando através do tempo,

Guardando a eterna candura,

Do meu sentimento...

 

É ardor sem temor;

É buscar sem parar,

Na alegria ou na dor,

Abraçar, Amparar...

 

É tudo isto; 

Interminavelmente...

 

 

Arriverdeci Totti!

 

 

 

Roma é o contrário de Amor;

Escreve-se de trás para a frente,

Mas ontem num gigantesco ardor,

Escreveu-se correctamente...

 

Um gigante, pequenino;

Com a voz embargada,

Regressando a ser menino,

No final da caminhada...

 

Com a esperança no olhar;

A saudade já eterna,

As lágrimas a escapar,

Por entre a despedida terna...

 

Milhares em admiração;

Juntos em comunhão,

Dizendo adeus a um irmão,

Que lhes aqueceu o coração,

Em cada jogada com a bola...

 

E deixando aquele relvado;

Imortalizando ali a sua história,

Eternizando esse passado,

Guardado nas memórias,

Daqueles apaixonados Tiffosi...

 

Arriverdeci, il Principe di Roma.

 

 

 

 

Nao te cales Brasil!

 

 

 

Não te cales Brasil;

Não te deixes amordaçar,

Não te cales Brasil,

Não pares de gritar...

 

Não te cales Brasil;

Diante dos teus algozes,

Não te cales Brasil,

Para que não se silenciem as bravas vozes...

 

Não te cales Brasil;

Denunciando a corrupção,

Não te cales Brasil,

Tens o destino na tua mão...

 

Não te cales Brasil,

Não desistas de sonhar,

De verde e amarelo,

Esse futuro irá chegar..

 

Não te cales Brasil!

 

 

 

 

 

Maior Do Que O Mundo!

 

 

 

O amor é uma gota na imensidão;

Por vezes desolada solidão,

Às vezes trajada desilusão,

Tantas e tantas vezes ilusão,

Amarrada ao coração,

Desencontrada razão para tanto amar...

 

O amor às vezes é amargura;

Com uma pitada de ternura,

Sem saber que essa desventura,

É uma pincelada aventura,

Uma armadilhada encruzilhada...

 

O amor às vezes é esperança;

Numa convicção que avança,

Por entre a desesperança,

De quem não merece tamanho querer...

 

O amor às vezes é só isso;

Um querer maior do que o mundo.

 

 

 

 

O Menino Que Um Dia Sonhou...

 

Era uma vez um menino impregnado de esperança, amarrado aos seus livros ansiando encontrar naquelas palavras algum conforto para a sua inquieta insatisfação...

O seu quarto era poiso de muitos mundos, guardava muitos segredos, muitas vontades, muitos sonhos, fechados por trás da porta que o separava do resto da casa.

Os seus avós, velhinhos, não sabiam que dentro daquelas paredes o seu neto podia esvoaçar por locais desconhecidos, encontrar destinos inimagináveis, reencontrar rostos perdidos.

Podia até sonhar...

Sonhando que a eternidade lhe ofereceria o direito de ter sempre perto de si aqueles que mais amava, aqueles que mais amou, aqueles que amaria para sempre.

O tecto do seu quarto tinha por vezes nuvens cinzentas, outras vezes um radioso sol, as paredes estavam cheias de árvores pejadas de animais e o chão...

Por vezes o chão parecia desaparecer para que ele pudesse levitar com as asas da sua imaginação.

Tantas e tantas vezes que ali, o mundo se tornava uma aventura, onde a qualquer momento surgia um amigo, se reerguia um inimigo, se degladiavam Reis e Príncipes, por Reinos e castelos.

Tantos anos se passaram desde que o menino cresceu, saiu e verdadeiramente voou, para deixar para trás essas aventuras que o moldaram no segredo da sua infância.

Até ao dia...

Esse dia em que regressou à mesma casa, ao mesmo quarto de sempre, sem os Avós, sem os quadros, sem os sonhos.

As paredes vazias reencontravam neste Homem, aquele menino que um dia ali morou, o mesmo menino que  um dia desejou que aquele reino, o seu quarto, fosse eternamente eterno.

E nesse momento, sabendo que o destino nem sempre cumpre as promessas sonhadas por uma criança, este antigo sonhador deixava apenas que as suas lágrimas pudessem brindar aquele chão de onde partira...

Já não conseguia sonhar mas ainda tinha memória para recordar a criança que um dia dentro dele esperançosamente habitou.

Habitando por entre as saudades desse mundo e desses Avós eternamente seus.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Luar!

 

 

 

Não fiques triste;

Só porque a tristeza insiste,

Em te mostrar que existe,

Essa dor que não desiste,

De te magoar...

 

Não penses que eternamente;

Essa desilusão que sentes,

Te irá penosamente,

Aprisionar para sempre,

Só porque esse destino não era eterno...

 

Não deixes que a escuridão;

Reaparecida na imensidão,

Deslumbrante ilusão,

Te roube do coração,

A esperança...

 

E de mansinho, devagar;

Com a noite a entrar,

Talvez possas voltar a acreditar,

Que aquele cintilante luar,

Refletido no teu olhar...

 

É o teu futuro a chegar!

 

 

 

 

 

 

Islão: Qual O Caminho?

 

Depois de mais dois atentados executados por extremistas Islâmicos, Reino Unido e Egipto, talvez seja a hora de se começar a questionar o Islão moderado, sobre que posição desejam tomar...

Na verdade, não podemos esquecer de que muitos dos que sofrem às mãos destes suicidas criminosos, são também Islâmicos que vivem em países como o Paquistão e que atentado após atentado, também eles são vitimas deste radicalismo sem quartel que aterroriza o mundo.

No entanto, por mais que queiramos entender todos os detalhes desta batalha religiosa, que sem dúvida se torna cada vez mais incontrolável, não será mais possível para as culturas Ocidentais e para os seus cidadãos, continuarem a restringir as suas liberdades e o seu modo de vida, na esperança de que algo possa mudar...

O que causa incomodo e até perplexidade é a ausência de uma atitude com firmeza, inequívoca desse Islão moderado, desses Imãs ou Mullahs, Sheiks, Emirs ou Reis espalhados por todos os cantos do mundo e que se mostram formalmente muito dilacerados com estes atentados mas sem nunca tomarem medidas radicais para lidar com aqueles que em nome da sua religião espalham o terror.

Não seriam merecedores de uma Fatwa, estes radicais?

Ou foi mais grave, Salman Rushdie ter escrito os Versiculos Satânicos?

O mundo Islâmico se quiser que exista uma diferença entre estes extremistas e aqueles Muçulmanos comuns, gente boa como em todas as religiões, tem de sair à rua, perseguir nos seus Países este tipo de criminosos e limitar verdadeiramente a sua liberdade de acção, pois em muitos destes Países Islâmicos, estes continuam a usufruir de uma benevolência atroz...

A Arábia Saudita é um excelente exemplo disso mesmo, com os seus contratos milionários com os Estados Unidos, no entanto, continuando a ser um dos maiores financiadores destas organizações terroristas de forma discreta e secreta.

Muitos dos que assistiram sentados às palavras de Donald Trump em Riade, Emirs ou Sheiks, estarão certamente na primeira linha dos que financiam canais no Youtube para que Imãs disseminem os seus odiosos discursos que alimentam jovens sem esperança a se tornarem mártires, numa luta inominável...

Para as sociedades Ocidentais cada vez mais aprisionadas ao medo, não chega a cada atentado dizermos que teremos de superar este receio, este terror que começa a se instalar a cada evento, em cada festival por essa Europa fora, é necessário também que sintamos que do outro lado aqueles que supostamente discordam destes cobardes radicais, dizem basta...

Tomam, também eles, medidas para os deter.

Assim é absolutamente necessário que o Islão, dito não radical, decida qual o caminho a seguir:

O da inoperância conivente que tarda em se fazer ouvir ou um Islão que se juntará à luta contra aqueles que aterrorizam em nome da sua Religião...

Urge que escolham um caminho!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Greve ou Ponte?

 

Não queria aqui desenvolver a minha opinião sobre o direito à greve, sobre as implicações que acredito inerentes a esta forma de luta, no entanto, não pude deixar de reparar em mais um dia de greve geral da Função Pública afeta à CGTP, com essa imensa coincidência que se torna cada vez mais frequente, destas greves serem quase sempre marcadas para dias colados ao fim de semana.

Porque razão não são as greves da Função Pública marcadas para Terça, Quarta ou Quinta-Feiras?

Talvez se existir um feriado à Segunda ou à Sexta-Feira?

Pergunta que também ouvi ao longo do dia, de cidadãos a quem esta greve veio adulterar expetativas, defraudar necessidades ou mesmo alterar importantes rotinas familiares...

Ana Avóila e Mário Nogueira congratularam-se, inacreditavelmente, com a ausência de aulas ou a impossibilidade de se fazerem consultas em muitas Escolas e Hospitais deste País, devido ao facto de alegadamente a adesão a esta forma de protesto ter chegado aos 75%, segundo os Sindicatos...

O que estes Senhores, Sindicatos, não se apercebem, é que para o cidadão comum este tipo de manifestações tornam-se injustificáveis e não trazem simpatia para as suas reivindicações.

Como explicar a um idoso que aguarda a sua consulta há muitos meses, que não a irá ter e que esta será remarcada para uns meses mais tarde porque houve a necessidade de fazer uma ponte?

Perdão uma greve...

Porém numa sexta-feira e com o verão a chegar, ficará sempre a dúvida se estamos perante uma greve, justificada ou injustificada, ou se por outro lado, muitos dos que a ela aderiram o fizeram apenas para saborear mais uma ponte sindical?

Fica a dúvida e certamente a justificada incompreensão do cidadão comum...

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Pág. 1/5